FL Farol das Letras


| Início | Mapa do Sítio | Autor |        

Simbolismo




Entende-se aqui por Simbolismo, não o conjunto de manifestações espiritualistas do último quartel do séc. XIX e o primeiro quartel do séc. XX (como têm entendido alguns), mas, num sentido mais especificamente histórico-literário, uma escola ou corrente poética (incluindo a poesia em prosa e a poesia teatral), que se afirma sobretudo entre 1890 e 1915 e que se define por um conjunto de aspetos, aliás variáveis de autor para autor, que dizem respeito às atitudes perante a vida, à conceção da arte literária, aos motivos e ao estilo. Sem dúvida esta corrente literária insere-se na atmosfera mental, antipositivista, de fins do séc. XIX; mas certos carateres de técnica literária, de forma, são inerentes ao conceito de Simbolismo aqui adotado. Entretanto, há ainda um conceito mais restrito: o daqueles que, tomando como pontos de referência paradigmáticos Mallarmé e Claudel, definem o Simbolismo pela busca obstinada duma verdade metafísica, demanda cujo instrumento de descoberta seria o símbolo. Com efeito, se teimássemos em definir o Simbolismo tão-só pela visão do Universo como teia de analogias, floresta de misteriosas «correspondências» (na aceção baudelairiana) que o poeta se propõe desvendar, então não teria havido Simbolismo autêntico em Portugal: os poetas portugueses dessa época ter-se-iam limitado a copiar grosseiramente gestos cujo sentido profundo não alcançavam. Mas os próprios autores considerados representantes do Simbolismo francês, de que o nosso deriva (Baudelaire, Rimbaud, Verlaine, Mallarmé, Laforgue, Régnier, A. Samain, Valéry, etc.), seguiram caminhos divergentes, a ponto de Johansen afirmar que discordavam uns dos outros em quase tudo exceto quanto à existência dum ideal em poesia e na aguda consciência do estilo.

Tendo em conta os aspetos inovadores que dão à poesia portuguesa, no período atrás indicado, certa fisionomia comum, serão simbolistas os poetas que participam de todas, ou quase todas, as seguintes características: revivescência do gosto romântico do vago, do nebuloso, do impalpável; amor da paisagem esfumada e melancólica, outoniça ou crepuscular; visão pessimista da existência, cuja efemeridade é dolorosamente sentida; temática do tédio e da desilusão; distanciamento do Real, egotismo aristocrático, e subtil análise de cambiantes sensoriais e afetivos; repúdio do lirismo de confissão direta, ao modo romântico, expansivo e oratório, e preferência pela sugestão indecisa de estados de alma abstraídos do contexto biográfico, impersonalizados; mercê de fina e vigilante inteligência estética (sob dado ângulo, os simbolistas são os herdeiros do Parnasianismo pelo exigente culto da Beleza e pelo papel atribuído à vontade na realização do poema), combinação muito hábil de «inspiração» (abandono aos acenos do inconsciente, às associações espontâneas) e «lucidez» (comando e aproveitamento desses elementos irracionais), com resultados inteiramente novos em poesia; larga utilização, não só do símbolo tipicamente simbolista, polivalente e intraduzível, mas da alegoria, da imagem a que deliberada e claramente se confere um valor simbólico, da comparação expressa ou implícita, da sinestesia (sobreposição de sensações, como «som branco», etc.), da imagem simplesmente decorativa; linguagem concreta ou mesmo impressionista, na medida em que o estado de alma se comunica através de imagens fragmentárias da Natureza exterior, ou impregna de elementos anímicos a paisagem que descreve (ocorre falar aqui de panteísmo, de pampsiquismo); caráter fugaz, dinâmico, da imagem, pronta a dissolver-se na tonalidade afetiva e no fluir musical do poema; musicalidade que não se reduz ao jogo de sonoridades do verso, antes, como observa Marcel Raymond, se prolonga em ressonância interior até para além da leitura do texto; libertação de ritmos; vocabulário rico de palavras complexamente evocativas, ou graças à própria expressividade fonética, ou mediante um jogo subtil de incidências dumas palavras sobre as outras (lição de Mallarmé: «rendre un sens plus pur aux mots de la tribu»). Outros carateres da poesia entre 1890 e 1915 serão acidentais, ou acessórios, ou de cunho mais precisamente «decadentista»; assim o gosto dos cenários exóticos, luxuosos, que vem dos parnasianos, o amor das fulgurações barrocas e dos malabarismos rítmicos - típicos sobretudo de E. de Castro e discípulos menores.

Admitido este conceito de Simbolismo, não será difícil averiguar os sinais precursores do movimento em Portugal. Por um lado, o Simbolismo radica num espiritualismo, numa ânsia de absoluto, cujo reverso é o ódio a este mundo vulgar e tangível, o tédio, a desistência, um pessimismo haurido nomeadamente em Schopenhauer - e tudo isto se descobre nos sonetos de Antero de Quental, ora confiado num otimismo metafísico, ora niilista, taciturno, suspeitoso de que, para além das formas transitórias, há apenas um «vácuo tenebroso», o abismo do Não-Ser. [...]

Coelho, Jacinto do Prado, DICIONÁRIO DE LITERATURA, 3.ª edição, 4.º volume, Porto, Figueirinhas, 1979

topo



Visitas desde 21 de outubro de 2001:


© 2001- - Manuel Maria, associado da SPA.
Textos em conformidade com as normas do novo acordo ortográfico.